Pular para o conteúdo principal

PARTE 4

Muitas vezes, me pego a vagar no pensamento e sem querer cai uma lágrima no meu rosto. Tento sempre fugir dessa melancolia, mas ela insiste em me procurar. Disfarço com um sorriso gentil, como quem quer dizer: ah, já passou! Para quê relembrar coisas tristes?! Entretanto, elas estão lá no fundo dos pensamentos e vez por outra à tona reaparecem.
Esse episódio, que hoje contarei, foi um dos meus piores momentos, compartilhados com minha mãe adotiva. Eu tinha uns 9 ou 10 anos. Fazia a faxina da casa todos os sábados. Naquela tarde, após limpar todos os cômodos, lavar, encerar e deixar a casa "um brinco", uma "amiga" de minha mãe me pediu um galho de uma planta que gostávamos de colocar dentro de um jarro com água pra enfeitar a casa. Não vi razão para não obedecer seu pedido, devido o grande volume de plantas que havia em nosso quintal. Ao meu ver não iria fazer diferença um simples galho. Que maldito favor, foi aquele! No momento minha mãe havia saído, e quando chegou já foi com dois quentes  e um fervendo, esbravejando: "quem te deu permissão para dar da minha plantinha!!!!!" Nem lembro o que mais ela falou na hora. Porque fui logo sentindo os tapas nas costas e empurrões. No caminho havia encontrado a tal amiga, que havia agradecido pela gentileza.
Após, vários tabefes, imaginem!Alguns jarros espalhados pela casa, creio eu, foi a única coisa que ela enxergou, os pegando e derramando por toda a casa, da sala de estar até chegar no quintal. Obrigou-me depois, a limpar tudo. Tamanha foi sua fúria, quando eu passei por ela com o braço cheio de plantas molhadas com a água dos vasos, misturadas a meu suor e minhas lágrimas... Repentinamente tomou de meus braços aquele molho de matos e gritou: ABRA A BOCA, QUE AGORA VOCÊ VAI COMER!!!PRA APRENDER A NUNCA MAIS DAR PRA OS OUTROS O QUE NÃO É SEU!
Por Deus! eu não tinha ação, muito menos escolha, se não as mordesse. Não tive intensão nenhuma de fazer nenhuma maldade, mas, por sorte ou azar, tentei engolir o choro e depositei a minha raiva na mordida que estava prestes a dar naquelas folhas... mas a mordida não foi no alvo, foi em um dos dedos dela. Arranquei sangue... quase torei o dedo dela... e por isso o meu castigo foi ainda pior:
Com um cabo de vassoura ela me bateu forte, por todo meu corpo e minha cabeça até que eu desmaiei... por segundos...ela gritava: LEVANTE!!! É SAFADEZA SUA, VOCÊ TÁ FINGINDO! e ainda cambaleando, estava eu ali para cumprir todas as determinações que a mim fossem impostas.
Sangue para todos os lados, água, plantas, tive que cuidar do dedo machucado de joelhos. Fui obrigada a pedir perdão e rezar um Terço Mariano completo (de joelhos), para pagar meu pecado: ter dado um insignificante pedaço de mato sem permissão e ter mordido sem intenção.
Os soluços anoiteceram e amanheceram, juntos com minhas dores carnais e minhas dores emocionais. Ainda hoje me pergunto o por quê de tanta fúria, tanta mágoa, sem motivos. Eu apenas fui naquele momento um objeto usado para descarregar o rancor alheio. Ainda me entristeço ao lembrar do episódio, porém me orgulho em dizer que, a mesma pessoa que me tratou assim um dia, foi a pessoa que cuidei na hora da doença e morte. Nunca fui capaz de deixá-la de lado na hora da precisão. Apesar de relembrar esse tipo de coisa, posso dormir tranquila sem remorsos, se mágoas. Isso, a muito tempo PERDOEI!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ABANDONO

Aqueles dias para mim
foram somente de tortura
vagando pelas ruas
totalmente imatura.

Não havia ninguém
que pudesse me apoiar
só havia, porém
o mar, o sol a me confortar.

Lamentava meu destino
triste a soluçar
conversava com o vento
para aliviar meu penar.

Não tinha ninguém na vida
eu era um cão sem dono
hoje dou graças a Deus
ter superado o abandono.

Sorriso de Criança

Deus ao criar o mundo
e tudo que nele há
criou o homem e a mulher
deixando um vazio no ar.

Faltando a doce inocência
em forma de arcanjo
simplicidade de uma hortênsia
pureza de um anjo.

Criou, então, a criança
de rosto doce e risonho
ao mundo uma esperança
à maldade, um escudo
se não fosse
o sorriso de criança
não haveria alegria nesse mundo.

Eloisia Serafim Bezerra

Pintor Pino Daeni

Os sentimentos norteiam nossa vida e a sensibilidade norteia Sentimentos.Alvaro Granha Loregian