segunda-feira, 1 de maio de 2017

Chuva



Da janela vejo cair
chuva fina de verão
suas gotas lavam
minha pobre alma
que vive cheia de saudade
saudade do que não tive
saudade do nada
que ficou perdido
no tempo e no espaço
saudade do que almejei
e jamais alcancei.

Eloisia Serafim Bezerra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como boneca de louça

Olho todos a minha volta nada sabem do meu ser e o que mais me revolta é que fingem não me ver. Busco falar com as portas com as jan...