Pular para o conteúdo principal

A AIA

“A Aia” – Eça de Queirós

Publicado por: Helena Costa em: 18 Março 2007
    Era uma vez um rei que partiu em direção a batalhas que se travariam em longínquas terras, deixando sozinha no reino a sua mulher, a rainha, com um filho nos braços.
Algum tempo depois um dos seus cavaleiros trouxe a trágica notícia da morte do rei deixando a rainha desolada, chorando pela criança ainda tão pequena e já com tantos inimigos por causa da sucessão ao trono.
Um dia o tio do menino, um desses terríveis inimigos, desceu do seu castelo com os seus guardas pronto para matar o pequeno príncipe. A aia do menino, que tinha um filhinho ainda bebé, amava tanto o pequeno príncipe que trocou os bebés pondo o seu filho no berço de marfim e o outro no berço de verga. Nesse mesmo instante entrou o maldoso tio que dirigindo-se ao berço real pegou no bebé e desapareceu. Quando a rainha entrou no quarto e viu o berço do seu filho vazio, começou a chorar. A aia, muito triste, destapou o outro berço e mostrou à rainha a criança que lá se encontrava. A rainha ficou muito agradecida e decidiu oferecer todas as riquezas do tesouro real que ela escolhesse. A escrava no meio de tanta riqueza e brilho mas tão desgostosa pela morte do seu bebé pegou numa adaga e matou-se dizendo :
- Salvei o meu príncipe. Agora vou dar de mamar ao meu filho.

Comentários

  1. A versão original pode ser lida no link abaixo:
    http://www.gargantadaserpente.com/coral/contos/eca_aia.shtml

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ABANDONO

Aqueles dias para mim
foram somente de tortura
vagando pelas ruas
totalmente imatura.

Não havia ninguém
que pudesse me apoiar
só havia, porém
o mar, o sol a me confortar.

Lamentava meu destino
triste a soluçar
conversava com o vento
para aliviar meu penar.

Não tinha ninguém na vida
eu era um cão sem dono
hoje dou graças a Deus
ter superado o abandono.

Sorriso de Criança

Deus ao criar o mundo
e tudo que nele há
criou o homem e a mulher
deixando um vazio no ar.

Faltando a doce inocência
em forma de arcanjo
simplicidade de uma hortênsia
pureza de um anjo.

Criou, então, a criança
de rosto doce e risonho
ao mundo uma esperança
à maldade, um escudo
se não fosse
o sorriso de criança
não haveria alegria nesse mundo.

Eloisia Serafim Bezerra

Pintor Pino Daeni

Os sentimentos norteiam nossa vida e a sensibilidade norteia Sentimentos.Alvaro Granha Loregian